O café Arábica poderá deixar de existir até ao fim do século

Botânica | Biodiversidade | Mudanças Climáticas

tanja.barendziak@uni-bremen.de | 11/12/12 | Bremen, Germany

Em menos de 100 anos o café Arábica poderá deixar de existir no mundo devido às alterações climáticas e ao seu impacto nos biótopos desta planta de café. Este é o resultado dos testes de simulação efectuados sobre o impacto das alterações climáticas no café Arábica.

O café não só é das bebidas mais populares de todo o planeta mas também representa o mais comercializado bem a seguir ao petróleo. O café Arábica representa 70% do total de café produzido no mundo.

Tal como outras plantas, o café está dependente de certas condições para o seu crescimento e desenvolvimento sendo muito sensível ao calor e à seca. Para esta simulação, os cientistas, começaram por identificar as regiões biogeográficas onde este se distribui e os correspondentes dados sobre o seu clima. Depois, simularam-se as alterações que um aumento da temperatura provocaria nos biótopos. Os resultados foram chocantes: Todos os cenários apresentados mostravam uma diminuição das populações em número e em distribuição. O pior cenário apresentava uma diminuição de indivíduos na ordem dos 99,7% até 2080, já o melhor cenário apresentava uma diminuição na ordem dos 65%. Os primeiros impactos deste fenómeno serão sentidos no sul do Sudão, onde já muitas populações desta região morreram ou adoeceram sem deixar quantidades de sementes viáveis suficientes.  

Os indivíduos selvagens da planta do café Arábica são de grande importância pois os cruzamentos com as plantas mais comerciais são essenciais para tornar as plantas mais resistentes a pragas, doenças e variações climáticas.

Para mais informações: http://scinexx.de/wissen-aktuell-15298-2012-11-08.html


comentários

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar através do formulário abaixo.
Quer comentar? Você precisa entrar ou se registrar nos INQUIRE

login_sign_in      login_join

Acessibilidade

              

apoiado por

  Share on Facebook